segunda-feira, 1 de junho de 2015

Dia da criança com cupcakes


Hoje é dia um.........na cozinha e da criança também!!!
E o tema escolhido foi cupcakes e nada melhor que fazê-los a pensar em todos os meninos e meninas.
Aproveitei este pedido, para uma festa, para apresentar estas delícias de chocolate.

2 chávenas de farinha
1 c. de chá de fermento em pó
1 chávena de açúcar
130g de chocolate em pó
1 pitada de sal
50g de manteiga
2 ovos
1 chávena de leite

Preparação

Coloque todos os ingredientes dentro da bimby e misture 30 seg/ vel.5
Coloque esta mistura em formas de papel. 
Leve ao forno a 180º C durante 20 minutos.



Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o Dia Mundial da Criança 
não é só uma festa onde as crianças ganham presentes.

É um dia em que se pensa nas centenas de crianças que continuam a sofrer de maus tratos, 
doenças, fome e discriminações.

 O primeiro Dia Mundial da Criança foi em 1950?

Tudo começou logo depois da 2ª Guerra Mundial, em 1945.
Muitos países da Europa, do Médio Oriente e a China entraram em crise, 
e não tinham boas condições de vida.

As crianças desses países viviam muito mal porque não havia comida e os pais estavam mais preocupados em voltar à sua vida normal do que com a educação dos filhos. Alguns nem pais tinham!

Como não tinham dinheiro, muitos pais tiravam os filhos da escola e punham-nos a trabalhar, às vezes durante muitas horas e a fazer coisas muito duras.

Mais de metade das crianças da Europa não sabia ler nem escrever. 
E também viviam em péssimas condições para a sua saúde.

Em 1946, um grupo de países da ONU começou a tentar resolver o problema. 
Foi assim que nasceu a UNICEF.

Mesmo assim, era difícil trabalhar para as crianças, uma vez que nem todos os países do mundo estavam interessados nos direitos da criança.

Foi então que, em 1950, a Federação Democrática Internacional das Mulheres propôs às Nações Unidas que se criasse um dia dedicado às crianças de todo o mundo.

Este dia foi comemorado pela primeira vez, a 1 de Junho desse ano!

Com a criação deste dia, os estados-membros das Nações Unidas, reconheceram às crianças, independentemente da raça, cor, sexo, religião e origem nacional ou social o direito a:
- afecto, amor e compreensão;
- alimentação adequada;
- cuidados médicos;
- educação gratuita;
- protecção contra todas as formas de exploração;
- crescer num clima de Paz e Fraternidade universais.

Só nove anos depois, em 1959 é que estes direitos das crianças passaram para o papel.

A 20 de Novembro desse ano, várias dezenas de países que fazem parte da ONU 
aprovaram a "Declaração dos Direitos da Criança".
Trata-se de uma lista de 10 princípios que, se forem cumpridos em todo o lado, podem fazer com que todas crianças do mundo tenham uma vida digna e feliz.

O problema é que mesmo assim nem sempre são cumpridos.


Quando a "Declaração" fez 30 anos, em 1989, a ONU também aprovou a 
"Convenção sobre os Direitos da Criança", que é um documento muito completo com um conjunto de leis para protecção dos mais pequenos que tem 54 artigos.

Esta declaração é tão importante que em 1990 se tornou lei internacional!

ARTIGO 1º
Todas as pessoas com menos de 18 anos têm todos os seus direitos escritos nesta convenção. 

ARTIGO 2º
Tens todos esses direitos seja qual for a tua raça, sexo, língua ou religião. Não importa o país onde nasceste, se tens alguma deficiência, se és rico ou pobre. 

ARTIGO 3º
Quando um adulto tem qualquer laço familiar ou responsabilidade sobre uma criança, deverá fazer o que for melhor para ela. 

ARTIGO 6º
Toda a gente deve reconhecer que tens direito à vida. 

ARTIGO 7º
Tens direito a um nome e a ser registado, quer dizer, o teu nome, o dos teus pais e a data em que nasceste devem ser registados. Tens direito a uma nacionalidade e o direito de conheceres e seres educado pelos teus pais. 

ARTIGO 9º
Não deves ser separado dos teus pais, excepto se for para teu próprio bem, como por exemplo, no caso dos teus pais te maltratarem ou não cuidarem de ti. Se decidirem separar-se, tens de ficar a viver com um deles, mas tens o direito de contactar facilmente com os dois. 

ARTIGO 10º
Se os teus pais viverem em países diferentes, tens direito a regressar e viver junto deles. 

ARTIGO 11º
Não deves ser raptado mas, se tal acontecer, o governo deve fazer tudo o que for possível para te libertar. 

ARTIGO 12º
Quando os adultos tomam qualquer decisão que possa afectar a tua vida, tens o direito a dar a tua opinião e os adultos devem ouvir seriamente o que tens a dizer. 

ARTIGO 13º
Tens direito a descobrir coisas e dizer o que pensas através da fala, da escrita, da expressão artística, etc., excepto se, quando o fizeres, estiveres a interferir com o direito dos outros. 

ARTIGO 14º
Tens direito à liberdade de pensamento e a praticar a religião que quiseres. Os teus pais devem ajudar-te a compreender o que está certo e o que está errado. 

ARTIGO 15º
Tens direito a reunir-te com outras pessoas e a criar grupos e associações, desde que não violes os direitos dos outros. 


ARTIGO 16º
Tens direito à privacidade. Podes ter coisas como, por exemplo, um diário que mais ninguém tem licença para o ler. 

ARTIGO 17º
Tens direito a ser informado sobre o que se passa no mundo através da rádio, dos jornais, da televisão, dos livros, etc. Os adultos devem ter a preocupação de que compreendes a informação que recebes. 

ARTIGO 18º
Os teus pais devem educar-te, procurando fazer o que é melhor para ti. 

ARTIGO 19º
Ninguém deve exercer sobre ti qualquer espécie de maus tratos. Os adultos devem proteger-te contra abusos, violência e negligência. Mesmo os teus pais não têm o direito de te maltratar.

Os artigos que faltam, sobretudo, respeito à forma como os adultos e os governos devem trabalhar em conjunto para que todas as crianças gozem dos seus direitos. 

Feliz dia da criança!!!

Fonte;http://www.junior.te.pt/
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...